Inicio Destaque CINEMAGINANDO INDICA: FILMES TÃO RUINS QUE SÃO BONS

CINEMAGINANDO INDICA: FILMES TÃO RUINS QUE SÃO BONS

Alguns filmes nos divertem pelas razões erradas.

459
0
COMPARTILHE

Quando procuramos um filme, buscamos uma boa história na qual mergulhar e personagens interessantes o bastante para nos manter hipnotizados na tela pelas próximas horas. O cinema é a magia de contar uma história e fazer com que nos sentimos dentro da tela. Mas esse não é bem o caso dos filmes dessa lista, pois alguns filmes falham tão miseravelmente que a única coisa que passa em nossa cabeça é “Que ideia de jerico é essa?!”. No entanto, até mesmo o pior dos filmes tem o seu valor de entretenimento, basta apenas que você esqueça qualquer conceito de realidade e abrace o bizarro.

Confira as dicas da equipe do Cinemaginando de filmes tão ruins que, no fim das contas, acabaram se tornando experiências divertidas. Não se esqueçam de deixar nos comentários as suas dicas.

DICAS DA CAMILA

The Room

Claro que eu tinha que mencionar esse clássico da vergonha alheia. Não é a toa que James Franco tenha corrido atrás de fazer Artista do Desastre, um filme sobre os bastidores dessa pérola. Qualquer um que tenha assistido The Room também se perguntaria como algo tão catastrófico poderia ter sido criado. Desde a dublagem mal feita, as cenas de sexo recicladas e tramas que não vão a lugar nenhum, esse filme é uma verdadeira aula de como não fazer um filme. Mas o ponto “alto” de tudo isso é o diretor/roteirista/produtor/protagonista/Deus sabe o que mais Tommy Wiseau, que nos entrega uma performance bizarra e certamente divertida de assistir. Claramente, Wiseau levou seu trabalho a sério e tentou criar um drama ao estilo Tennesse Williams, mas sua falta de talento e experiência resultaram na pior e mais divertida experiência cinematográfica da minha vida.

Batman & Robin

Eis o filme que não só quase matou o Batman nos cinemas, mas quase enterrou de vez o gênero dos filmes de super-heróis. Desde a primeira cena, é praticamente impossível acreditar que essa história deveria se passar no mesmo universo criado por Tim Burton em 1989. Assustados com o tom sombrio que o diretor trouxera para os dois primeiros filmes do homem-morcego, os produtores entregaram as rédeas para Joel Schumacher, que ficou encarregado de tornar a franquia mais “comercial”. No entanto, parece que a ideia do diretor para trazer mais leveza ao mundo do Batman foi tirar inspiração da série de TV cafona dos anos 60 estrelada por Adam West. Adeus, tramas sombrias e personagens complexos. Olá, fantasias de carnaval e frases de efeito piegas! Os diálogos de Arnold Schwarzenegger se resumem a trocadilhos com gelo, a bela Uma Thruman mais parece uma travesti, Robin está mais insuportável do que nunca, o charme de George Clooney foi esquecido no camarim e Alicia Silverstone entrega uma Batgirl sem graça e esquecível. No entanto, esse filme deu tão errado (TÃO ERRADO) que é impossível não se divertir com a cafonice. Que venham os bat-mamilos e bat-cartão de créditos!

DICAS DO GIL

Zohan: O Agente Bom de Corte

Dizer que o Adam Sandler estrelou em filmes ruins pode ser redundante, mas essa sátira política, além de ter sido mal recebida, também caiu um pouco no esquecimento. Sandler faz Zohan Dvir, um soldado israelense que simula sua morte numa luta contra o terrorista palestino Phanton, interpretado por John Turturro, e depois foge para Nova York para se tornar cabeleireiro. Mesmo se apoiando em fazer piadas com esteriótipos, o longa escapa por não se leva a sério em nenhum momento e trás uma mensagem sobre seguir os seus sonhos, fora a trilha sonora sensacional. Talvez eu só precise te mostrar essa cena pra te convencer assistir essa pérola:

Canibais (2003)

Uma vila australiana é surpreendida por uma chuva de meteoritos que transformam seus moradores em mortos-vivos, deixando um pequeno grupo de pessoas para tentar se salvar. A trama pode até parecer simples, mas depois de começar com uma infeção zumbi, deram um jeito de também encaixar alienígenas (não me pergunte como). E mesmo sendo propositalmente trash, o filme não deixa de ter efeitos especiais e atuações questionáveis, indo do ótimo Machete ao péssimo The Room. Apesar de tudo isso, foi impossível pra mim não sentir o gosto pelo cinema vindo dos diretores e irmãos Peter e Michael Spierig (O Predestinado), que sempre me deixam interessado no que vem pelo frente em seus trabalhos.

DICAS DO THIAGO

Plano 9 do Espaço Sideral

Considerado um dos piores filmes da história, Plano 9 do Espaço Sideral é uma ficção-científica de terror que junta vampiros, zumbis e aliens. Lançado em 1959, esta pérola do cinema B é hoje um clássico cult para os amantes da sétima arte. O diretor Ed Wood, famoso por realizar filmes com orçamento mínimo, muitas vezes reciclando imagens descartadas de outras obras, é considerado um dos piores cineastas do mundo. Neste sentido, recomendo o filme de Tim Burton sobre este diretor, inclusive seguindo os bastidores de Plano 9. Este foi o último filme de Bela Lugosi, o eterno Drácula, do qual Wood era fã. Infelizmente, o ator faleceu durante as filmagens, e o diretor teve que utilizar outro ator para as cenas que faltavam filmar. O problema é que ele não poderia mostrar o rosto nem falar nada, então sempre que aparecia em cena, o ator tinha que cobrir seu rosto com a capa de vampiro, sendo que claramente vemos que não se trata de Lugosi atuando. Entre cenários frágeis, história bizarra e atuações amadoras, é um filme que diverte pelas falhas, servindo como um excelente estudo para quem quer se aventurar na realização de obras de baixo orçamento.

As Branquelas

Famoso filme da Sessão da Tarde de meados dos anos 2000, As Branquelas conquistou uma legião de fãs pelo teor de “besteirol”. Embora se trate de uma comédia, não é exatamente pelas piadas que a obra diverte, e sim pela sua bizarrice. Desde a maquiagem que faz a dupla de protagonistas parecerem manequins mal feitos, até as cenas aleatórias do carismático Terry Crews, este é um filme nonsense que acaba divertindo mais do que se propõe, pedindo múltiplas sessões.

DICAS DO DANILO

Premonição 4

Tudo bem que falar sobre filmes de terror ruins é bem fácil, mas está aqui a prova de que um filme pode ser tão ruim que você assiste para ver se o diretor vai ser capaz de fazer aquilo mesmo ou era só zoeira. A franquia Premonição começou bem, com um pouco de sucesso nos anos 2000, mas já com o pé na porta com mortes absurdas. Todavia, ainda tinha um pouco de sentido. Mas a franquia endoidou de vez a partir do terceiro filme, que traz mortes absurdas e mostra o nosso medo de ter uma morte idiota. O vencedor de mortes estupidas é  Premonição 4, que introduz o 3D à franquia e tem mortes mais idiotas que as anteriores, sendo a pior delas a cena em que o cara é sugado pelo motor da piscina pela bunda! Esse é um tipo de cena tão ridícula que se torna engraçada. E por serem tão esculachados, todos os filmes merecem uma maratona.

Velozes e Furiosos 7

Não me batam antes de entender. Velozes e Furiosos sempre foi uma franquia estranha, que caminhou por um lado durante anos e de repente no quarto filme resolve mudar tudo. Por mais que esse filme tenha cenas absurdas de ação e o roteiro seja uma bagunça, dois vilões – sendo um totalmente incluído para participar da equipe – mentir na minha cara com os saltos com o carro já é demais! É carro pulando de paraquedas, é carro pulando prédio! Gente que eles nunca viram sendo colocados na “família”. E se não fosse a morte do Paul Walker, o filme teria um tom muito diferente (mérito para a homenagem incrível e inesquecível no final), mas o filme é uma bagunça estilo Transformers. Mas mesmo sendo tão bagunçado, a gente vê e revê milhares de vezes.

DICAS DA LARISSA

Sharknado

O primeiro filme com certeza é Sharknado, é um filme que vi perdido na Netflix onde um furacão de tubarões envolve a cidade de Los Angeles. O filme mais sem noção que assisti na vida, com a cidade alagada os tubarões tomam conta das ruas, mas apenas os tubarões são vistos, nem um outro ser aquático (a água não era alta, mas os tubarões enormes estavam nas ruas tranquilamente). Louco não?! Só assista a essa pérola:

A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2

Eu nunca fui fã da saga Crepúsculo, mas na época eu me dei o castigo de assistir os filmes nos cinemas com as amigas em uma sala cheia de gente que também não gostava da saga. O filme se tornou uma comédia. Não basta a maior cena de ação ter sido só uma visão do que poderia acontecer, frustrando todo mundo, mas também um vilão com cara de Drácula fazendo piadas e voz fina foi a deixa para eu não levar nada do filme a sério. Me diverti muito assistindo esses dois filmes que de tão ruins me proporcionaram boas risadas.

 

Anuncie no Cinemaginando
Anuncie no Cinemaginando
Anuncie no Cinemaginando